Itapevi Notícias

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte
Home Roda de Fogo DEPUTADO MAJOR OLIMPIO DENUNCIA ESQUEMA BILIONÁRIO DO GOVERNADOR ALCKMIN

DEPUTADO MAJOR OLIMPIO DENUNCIA ESQUEMA BILIONÁRIO DO GOVERNADOR ALCKMIN

Imprimir

JÁ EM APURAÇÃO NA OPERAÇÃO LAVA JATO, E AMPLIADO POR UM PROJETO APRESENTADO NA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA, ACABANDO COM A SABESP. MAIS UM PETROLÃO PARA O BRASIL!

De autoria do Governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, com tramitação em regime de urgência, o Projeto de Lei nº 659/2017, de 03/08/2017, autoriza o Poder Executivo a constituir uma holding para exercer o controle acionário da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - SABESP e explorar outras oportunidades de negócios de saneamento básico, dentro e fora do Estado de São Paulo, e tem sido objeto da incompreensão e da desconfiança de parlamentares e diferentes setores da sociedade quanto aos seus reais objetivos, uma vez que:

1)  tal holding poderia explorar atividade econômica aberta com possibilidade de incorporar, a seu bel prazer, empresas públicas ou privadas cujo ramo de atividade esteja na linha de interesse dos sócios de ocasião, em moldes muito parecidos à PDVSA, a companhia de petróleo venezuelana usada pelo ditador Maduro para incorporar os campos de petróleo da Petrobrás naquele país que passa por lastimável crise econômica;

2) de maneira inconstitucional, permite a criação, sem autorização legislativa específica, conforme obriga o art. 37,XX da Constituição Federal, de subsidiárias e a participação em capital privado;

3) permite a troca de dívidas do Estado com credores por ações na nova empresa, que será incorporada por patrimônio do povo paulista;

4) permite a atuação em São Paulo, no Brasil e no exterior, criando uma empresa nacional e internacional, e não paulista, conforme prevê a Constituição.

Planilhas entregues aos investigadores da Lava Jato pelo ex-presidente da Odebrecht, Benedicto Júnior, vinculam uma obra da SABESP a pagamentos ilícitos para a campanha eleitoral de 2014 do Governador do Estado de São Paulo Geraldo Alckmin. O documento aponta o pagamento de R$ 1.5 milhão no dia 05/08/2015, direcionado a “MM-Partido”, codinome usado pela empreiteira para se referir a Marcos Monteiro, tesoureiro da campanha de Geraldo Alckmin em 2014.

Com o fim do financiamento de campanha por pessoas jurídicas, muitos políticos envolvidos em escândalos de corrupção tem se preocupado com a forma de prover recursos para sua campanha, e o Ministério Público, dentro de seu mister Constitucional, tem que estar atento para que manobras antirrepublicanas não sejam permitidas para prover recursos para essas campanhas.

É de conhecimento notório que o senhor Governador de São Paulo almeja o cargo de Presidente da República, e em sua última campanha gastou mais de R$ 40 milhões declarados, sem contar o caixa dois, que está sendo delatado na operação lava jato, e recebeu dinheiro de origem de empresas envolvidas em corrupção com políticos.

Sem o financiamento dessas pessoas jurídicas, meios para realizar uma campanha de grande porte, da mesma que tem realizado ao longo de sua vida pública, terão que ser providos. E não se pode permitir que as empresas compostas de capital do Estado de São Paulo, que possuem controle e influência direta desse Governador, sejam novamente utilizadas para essa finalidade, como já o foi na campanha de 2014, como a que está fazendo no apagar das luzes do seu governo.

Alckmin está aplicando um golpe no povo paulista e assegurando os recursos para sua campanha a presidente da república e ao mesmo tempo a aposentadoria bilionária de seu grupo político.

Para evitar mais essa roubalheira Olimpio representou ao Ministério Público Federal, Ministério Público Estadual, à Comissão de Valores Mobiliários-CVM do Brasil, e ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica- CADE

Última atualização em Seg, 04 de Setembro de 2017 17:55  

Anunciantes

Links Recomendados?
Banner
Banner